Children´s Depression Inventory – Short Form

Original Version

Kovacs (1992)

Portuguese Version

Matos, Silva, Salvador, Pinheiro, & Costa (2019)

General Description

O Children’s Depression Inventory – Short-Form (CDI-S; Kovacs, 1992) é uma escala de autorresposta que avalia a presença e gravidade de sintomatologia depressiva em crianças e adolescentes, entre os 7 e os 17 anos.

O CDI-S avalia tristeza, pessimismo, eu-desvalorizado, eu-odiado, choro, irritabilidade, imagem corporal negativa, solidão, amizades e sentimento de não ser amado. À criança/adolescente é pedido que escolha a opção que melhor traduz a sua experiência nestas áreas nas duas últimas semanas. Num total de 10 itens, cada um apresenta 3 alternativas de resposta pontuadas entre 0 (ausência de problema) e 2 (problema grave), sendo que a cotação dos itens 2, 3, 5, 8 e 10 deve ser invertida. A pontuação total do inventário é obtida através do somatório da pontuação de todos os itens, podendo esta variar entre 0 e 20 pontos, de forma que valores finais mais elevados indicam maior gravidade de sintomatologia depressiva.

O CDI-S foi estudado pela primeira vez em Portugal,  no que diz respeito à sua estrutura fatorial, através de uma análise fatorial exploratória (AFE), e à sua consistência interna.

A amostra do estudo foi constituída por 2430 adolescentes que frequentavam o 3º Ciclo do Ensino Básico, dos quais 922 (37.9%) do género masculino e 1508 (62.1%) do género feminino, com idades compreendidas entre os 12 e os 18 anos (M = 13.94, DP = .94).

O método de AFE utilizado foi o dos Principais Eixos Fatoriais (PEF) que procura “identificar os fatores latentes que explicam as intercorrelações observadas nas variáveis originais” (Marôco, 2014, p. 527), recomendado por Fabrigar et al. (cit in Costello & Osborne, 2005) se o pressuposto da normalidade multivariada for violado.

A estrutura da escala revelou-se diferente do original, apresentando 2 fatores (Tríade Cognitiva Negativa e Humor Negativo).  A percentagem de variância total explicada foi de 43.77% com o primeiro fator a explicar 23.24%

e o segundo 20.53%, encontrando-se os loadings entre .45 e .72.

O primeiro fator denominado (Tríade Cognitiva Negativa) é constituído por itens que se caraterizam por uma visão negativa do eu (e.g., “sou feio/a”), da sua relação com os outros (e.g., “Tenho a certeza de que ninguém gosta de mim”) e do futuro (e.g., “Nunca nada me vai correr bem”).

Por outro lado, o segundo fator, Humor Negativo, parece associar-se mais com a experiência emocional característica da sintomatologia depressiva, avaliando inclusivamente critérios do diagnóstico de depressão  (i.e., “Sinto-me sempre triste” e “Tudo me aborrece imenso”).

A consistência interna da escala, revelou-se boa para o total da escala (.86), com valores razoáveis para o fator 1 (.79) e o fator 2 (.77).

O CDI-S permite avaliar, de forma eficaz e simples, a sintomatologia depressiva na adolescência.

References
  • Kovacs, M. (1992). Children´s Depression Inventory – Manual. New York: Multi-Health Systems.

    Matos, A.P., Silva, E., Salvador,  M.C., Pinheiro, M.R. & Costa, J.J. (2019). Estudo preliminar do CDI-S em adolescentes Portugueses. Diagnóstico e Avaliação Psicológica: Atas do 10º Congresso da AIDAP/AIDEP, pp 250-265. Coimbra: Associação Ibero-Americana de Diagnóstico e Avaliação Psicológica.

Contacts

Ana Paula Matos – apmatos@fpce.uc.pt